Polícia Federal prende Grupo de muçulmanos ligados ao Estado Islâmico no Brasil


Em uma operação da Polícia Federal terminou com a prisão de três integrantes de um grupo associado ao Estado Islâmico. Os libaneses Firas, Fadi e Toufic Allameddin, todos irmãos, foram detidos em São Paulo (SP).

Os três integravam uma quadrilha de lavagem de dinheiro e falsificação de documentos, além de usarem nomes falsos. A PF confirmou que eles são considerados suspeitos de seguirem o Estado Islâmico.

Os irmãos Allameddin mantinham negócios com o egípcio Hesham Eltrabily, de quem Firas foi sócio em uma loja de roupas chamada Nuclear Jeans, segundo informações da revista Época.

Hesham Eltrabily está radicado no Brasil desde 2002, quando fugiu do Egito. Em seu país natal, ele é acusado de ter participado de um atentado terrorista em 1997, que tirou a vida de 62 pessoas.

Quando as autoridades egípcias souberam de seu paradeiro, solicitaram a extradição, mas o Supremo Tribunal Federal (STF) negou o pedido alegando que não existiam provas suficientes de sua participação no atentado.

A PF aponta que a quadrilha dos Allameddin e Eltrabily movimentou cerca de R$ 50 milhões em suas atividades ilícitas. Parte desse valor foi enviado ao Líbano através de uma corretora e uma casa de câmbio clandestina.

A operação que resultou na prisão dos irmãos Allameddin, chamada de Mendaz, foi acompanhada pela Embaixada dos Estados Unidos e por investigadores do FBI. No local onde os libaneses foram presos, a PF precisou arrombar 14 cadeados que estavam no portão de ferro. Os policiais compararam o local a um bunker, pois tinha cercas de arame farpado e câmeras em todas as partes.

Nas redes sociais, pessoas ligadas à quadrilha faziam publicações com apologia ao Estado Islâmico. Um texto publicado por um irmão de Firas Allameddin pregava a perpetuação do grupo terrorista: “Morra de inveja! O Estado Islâmico vai ficar para sempre e vai se espalhar”. Em outro perfil, a foto do usuário era de um crime cometido pelos extremistas, com corpos carbonizados.

Essa operação que prendeu os suspeitos de integrarem o Estado Islâmico foi montada quando surgiu a suspeita, no começo de 2015, de que os terroristas estavam se organizando para recrutar pessoas e perpetrar um atentado no Brasil. Desde então, a PF vinha monitorando as atividades do grupo. Como as investigações correm sob sigilo, não há maiores informações sobre o grau de relacionamento desses estrangeiros com os extremistas.

Informações: Revista Época

Wilson Ferreira

Técnico em SEO, liberal apartidário, autodidata em História, fascinado por mistérios, fundador e escritor. Nosso blog é focado em teorias da conspiração, porém você encontrará muitos artigos sobre política, história, sociedade, religião, misticismo, ocultismo e tudo que desperte um certo mistério.
    Comentar pelo Blog
    Comentar pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário