Verdade Estampada

quarta-feira, novembro 26, 2014

Por que as pessoas acreditam em teorias da conspiração?

Porque acreditamos em (algumas) Teorias da Conspiração? A Scientific American dá a Michael Shermer, fundador da The Skeptics Society e sua revista Skeptic, uma plataforma para ridicularizar as teorias da conspiração e os que acreditam nelas. Sendo assim tome com uma boa pitada de sal o texto que segue:
O presidente Barack Obama tem estado muito ocupado no exercício do mandato: ele inventou uma certidão de nascimento falsa para esconder sua verdadeira identidade como um estrangeiro, criou "painéis da morte" para determinar quem iria viver e quem iria morrer sob seu plano de saúde, conspirou para destruir a liberdade religiosa determinando o uso de contraceptivos para as instituições religiosas, explodiu a plataforma de perfuração Deepwater Horizon no mar para angariar apoio para sua agenda ambiental, planejou ataques com gás sírio como um pretexto para a guerra, orquestrou o assassinato de um agente TSA para reforçar os poderes da agência, ordenou o massacre na escola Sandy Hook  para avançar com a legislação de controle de armas, e construiu campos de concentração da Fema para colocar os americanos que resistirem.

As pessoas realmente acreditam em tais teorias da conspiração? Elas acreditam, e em números perturbadoramente altos, de acordo com a recente pesquisa empírica produzida por cientistas políticos da Universidade de Miami, Joseph E. Uscinski and Joseph M. Parent e que apresentaram em seu livro em 2014 American Conspiracy Theories  (Oxford University Press). Cerca de um terço dos norte-americanos, por exemplo, acreditam na teoria da conspiração "birther" de que Obama é um estrangeiro. Muitos outros acreditam que 11 de setembro foi um "trabalho interno" pela administração Bush.

A ideia de que tais crenças são tidas apenas por um bando de caras brancos nerds que vivem em porões de seus pais é um mito. As pesquisas feitas por Uscinski e Parent mostram que os crentes em conspirações abrangem todos os "gêneros, idades, raças, rendas, filiação política, nível educacional e status ocupacional." As pessoas tanto de política esquerda quanto de direita, por exemplo, acreditam em conspirações de forma aproximadamente semelhantes, embora cada um encontre diferentes intrigas. Os liberais são mais propensos a suspeitar que que as fontes da mídia e partidos políticos são peões de ricos capitalistas e corporações, enquanto os conservadores tendem a acreditar que os acadêmicos e as elites liberais controlam essas mesmas instituições. As teorias da conspiração sobre os transgênicos são abraçadas principalmente por aqueles do lado esquerdo (que acusam, por exemplo, a Monsanto de conspirar para destruir os pequenos agricultores), ao passo que as teorias da conspiração sobre as mudanças climáticas são principalmente apoiadas por aqueles da direita (que acusam, por exemplo, os cientistas acadêmicos do clima por manipular dados para destruir a economia americana)...

A identidade do grupo também é um fator. Os afro-americanos são mais propensos a acreditar que a CIA plantou cocaína nos bairros do centro da cidade. Os americanos brancos são mais propensos a acreditar que o governo está conspirando para taxar os ricos para apoiar assistências sociais prosperas e transformar o país em uma utopia socialista.

De forma animadora, Uscinski e Parent descobriram que a educação faz a diferença na redução pensamento conspiratório: 42 por cento das pessoas sem um diploma de ensino médio tem maior predisposições conspiratórias, em comparação dos 23 por cento com pós-graduação. Mesmo assim, isso significa que mais de um em cada cinco americanos com diplomas de pós-graduação mostram uma alta predisposição para a crença conspiratória. Como educador, eu acho isso perturbador.

Outros fatores estão no trabalho na criação de uma mente conspiratória. Uscinski e Parent observam que em experimentos de laboratório "os pesquisadores descobriram que induzir ansiedade ou perda de controle desencadeia os entrevistados a verem padrões inexistentes e evocarem explicações conspiratórias" e que, no mundo real "há evidências de que os desastres (por exemplo, terremotos) e outras alta situações de estresse (por exemplo, a incerteza de emprego) levam as pessoas a inventar, abraçar e repetir as teorias da conspiração".


Uma teoria da conspiração, Uscinski e Parent explicam, é definida por quatro características: "(1) um grupo (2) agindo em segredo (3) para alterar as instituições, usurpar o poder, esconder a verdade, ou ganhar utilidade (4) em detrimento do bem comum". A análise de conteúdo de mais de 100 mil cartas ao The New York Times em 121 anos transformou-se em três merecedoras páginas de tais conspiradores, de Adolf Hitler e do Congresso Nacional Africano à Organização Mundial de Saúde (OMS) e os aldeões sionistas, classificados em oito tipos: esquerda, direita, comunistas, capitalistas, Governo, Mídia, estrangeiros e outros (maçons, a AMA e até mesmo cientistas). O tema comum do começo ao fim é poder - quem o tem e quem o quer - e então os autores concluem seu inquérito com uma observação traduzida por Parent de O Príncipe de Nicolau Maquiavel  (um tipo de manual da conspiração), como "o forte desejo de governar, e o desejo fraco dnão ser governado".

Informações: http://www.anovaordemmundial.com/2014/11/por-que-as-pessoas-acreditam-em-teorias-da-conspiracao.html#ixzz3KCbpfJ00
PRÓXIMO ARTIGO PRÓXIMO ARTIGO
ARTIGO ANTERIOR ARTIGO ANTERIOR
PRÓXIMO ARTIGO PRÓXIMO ARTIGO
ARTIGO ANTERIOR ARTIGO ANTERIOR
 

Receba novas atualizações na sua caixa de entrada gratuitamente.