6 de dezembro de 2017

Tripé macroeconômico: Câmbio flutuante, meta de inflação e meta fiscal

Tripé macroeconômico: Câmbio flutuante, meta de inflação e meta fiscal
Tripé macroeconômico: Câmbio flutuante, meta de inflação e meta fiscal
O tripé macroeconômico, como o nome já diz, consiste em um conjunto de três elementos:

O câmbio flutuante

É o regime cambial adotado no Brasil. Segundo este regime, o preço de uma moeda em relação a outra no mercado de câmbio varia de acordo com a oferta e a procura por aquela moeda. Por conta da adoção desse regime é que todo dia anuncia-se um valor diferente para o dólar, por exemplo

A meta de inflação

Através desse mecanismo, um órgão do Governo Federal determina a taxa de inflação que a economia brasileira deve ter a cada ano. De posse dessa informação, as autoridades monetárias que compõem o Comitê de Política Monetária (Copom) se reúnem periodicamente e estabelecem qual deverá ser a taxa básica de juros (Selic) para alcançar a inflação desejada.
Atualmente, a meta anual para a inflação brasileira é de 4,5%, com teto de 6% e piso de 3%. Em 2015, a inflação estourou o teto da meta, fechando o ano em 10,67%. O Banco Central prevê inflação de 7,3% em 2016 – ou seja, mais uma vez deve ocorrer o estouro da meta.

A meta fiscal

Muitas vezes referida como meta de superávit, a meta fiscal é definida todo ano pelo Congresso Nacional, por meio da Lei Orçamentária Anual (LOA). Caso queira alterar essa meta, o Executivo deve pedir autorização ao Legislativo. Seu descumprimento pode ser considerado crime de responsabilidade e levar ao impeachment do chefe do Poder Executivo.

Acompanhe uma bela explicação através do vídeo: 



Postagem mais recente Postagem mais antiga


Redes Sociais

Facebook
Curta nossa página!
Google Plus
Siga a gente no Google Plus!
Twitter
Siga a gente no Twitter!
Pinterest
Acesse nosso canal!
 Autor

Assine a nossa newsletter

(Receba novas atualizações na sua caixa de entrada.)